quinta-feira , julho 18 2019
Casa / Brasil / Mundo / Alita: Anjo de Combate – Crítica de Nilmar Paulo

Alita: Anjo de Combate – Crítica de Nilmar Paulo

Engana-se quem espera ver no novo filme de James Cameron mais uma grande produção de ficar com a boca aberta. Não será dessa vez e nem com o filme “Alita: anjo de combate”. Cameron tem a particularidade de levar vários anos entre uma produção e outra. Assim foi com o intervalo do filme Titanic para Avatar, dois grandes sucessos que marcaram história no cinema. Advirto que ele levou muitos anos entre um e outro filme, justamente pelo fato de estar trabalhando bastante com inovação tecnológica para, dessa forma lançar o primeiro filme gravado com tecnologia 3D da história da sétima arte.

Por isso o grande sucesso de Avatar.

Mais pela tecnologia que pelo conteúdo do filme.

Mas agora vários anos se passaram novamente e então chega aos cinemas o novo projeto de James Cameron.

O filme Alita.

Trata-se de uma adaptação para o cinema, uma vez que a história já existia, sendo contada em mangá e em anime.

Porém, não trouxe o mesmo espanto positivo de Titanic ou Avatar.

A produção conta com tecnologias comuns já há muito utilizadas no cinema e apenas acrescenta algumas cenas e personagens além do conteúdo que vemos no anime.

Mas uma coisa é certa: Apesar de ser um filme que apenas explora a tecnologia usada atualmente no cinema, sem dúvida é uma das mais bem executadas.

Efeitos visuais que tem uma movimentação muito próxima do real. Na história, aliás, Alita (Rosa Salazar) é uma moça cibernética encontrada por entre os destroços de uma cidade destruída após a guerra. O Dr. Ido (Christoph Waltz) conserta a moça e então ela passa a conviver numa sociedade que mistura humanos e cibernéticos, num planeta totalmente cyberpunk.

Muitas aventuras, conflitos e ação no decorrer da trama.

Assim é o novo filme de James Cameron que, dessa vez, abriu mão da direção e ficou apenas com a produção do longa.

Robert Rodriguez (Um Drink no Inferno, Era Uma Vez no México e A Balada do Pistoleiro) assina a direção do filme.

Talvez isso tenha acontecido pelo fato de Cameron estar muito envolvido na produção da continuação de Avatar.

Uma curiosidade é que James Cameron comprou os direitos de Alita desde os anos 90.

Mas só agora resolveu trabalhar no projeto.

Sobre Paulo Dagomeh

Paulo Dagomeh
Poeta, compositor e ativista cultural, fundou, com amigos, o grupo Radicais Livres e o Movimento Supernova. É membro do Colegiado Livro e Leitura.